Vitaminas fundamentais para o crescimento saudável: Vitamina A e Niacina
7 de junho de 2017
Nutrição adequada e prevenção da obesidade
7 de junho de 2017

Toda gestante deve buscar um estilo de vida saudável para otimizar a sua saúde e a do bebê. Um ganho adequado de peso, uma atividade física apropriada e o consumo de uma alimentação variada, equilibrada e segura sanitariamente são pontos importantes para otimizar a saúde durante a gestação.
Através de uma alimentação adequada, a gestante pode controlar seu ganho de peso para que não seja nem deficiente e nem excessivo. Além disso, a fonte de nutrientes que o bebê tem para garantir seu crescimento vem das reservas nutricionais da mãe e do que ela come na gravidez.
Gordura, sal e açúcar devem ser utilizados com muita moderação pela gestante; para isso, é importante estar atenta ao consumo de alimentos industrializados, embutidos, doces e bebidas açucaradas durante a gestação.
A gestante deve beber de 8 a 10 copos de água por dia para manter uma boa hidratação e ingerir alimentos fontes de fibras – frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais – para auxiliar no bom funcionamento do intestino, melhorando a constipação que é uma queixa bem comum das grávidas.
O consumo de algumas vitaminas e minerais pela gestante, merece uma atenção especial. O ácido fólico, por exemplo, por ser uma vitamina importante na formação, desenvolvimento e crescimento dos tecidos do feto – em especial da futura medula espinhal e do cérebro do bebê – deve ser suplementado durante a gestação e sua suplementação deve ser iniciada quando a mulher ainda está planejando engravidar.
A gestante deve estar atenta ao consumo de ferro – um mineral presente nas carnes vermelhas, feijão, soja, alimentos fortificados (farinha) e folhas verde escuras -, pois uma ingestão inadequada deste mineral pode aumentar o risco de baixo peso do bebê no nascimento e anemia materna.
De acordo com a American Dietetic Association, o álcool e o cigarro devem ser evitados durante a gestação, pois podem favorecer o retardo do crescimento do bebê, alterações neurológicas do feto (álcool) e abortos espontâneos (cigarro).
Essa mesma associação junto com a American Diabetes Association preconizam que o uso dos adoçantes, sem exagero, é seguro durante a gestação e lactação. Entretanto, é recomendado o uso com cautela da sacarina e do ciclamato, visto que eles estão presentes em grande parte dos alimentos e bebidas light/diet. Outros adoçantes, como o aspartame, a sucralose e a stevia podem ser utilizados, mas sempre com moderação.
O consumo pela gestante de alimentos sanitariamente seguros, ou seja, bem lavados, higiênicos e sem nenhuma contaminação é muito importante. A ingestão de alimentos crus, mal lavados e contaminados pode causar doenças, tais como a toxoplasmose e a listeriose, que provocam graves problemas neurológicos no bebê. Desta forma, a gestante precisa saber da procedência e da qualidade higiênica dos alimentos antes de consumi-los e deve evitar a ingestão de alimentos crus (peixe cru, carpaccio, ostras, quibe cru, carnes em geral mal passadas, queijos não pasteurizados e leite cru), frutas com casca e saladas mal lavadas.
A gestação é uma excelente oportunidade para a mulher mudar os seus hábitos alimentares na busca de um estilo de vida mais saudável. A mulher bem nutrida e saudável tem mais chances de ter uma gravidez tranquila, um parto mais fácil, uma produção de leite em quantidade suficiente e pelo tempo necessário para o seu bebê. Além disso, o seu peso poderá voltar ao estado normal mais rapidamente.

carlos
carlos
Médico Pediatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fez Residência Médica em Pediatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira e Paulista de Pediatria. Faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *