Cuidados ao fazer o bebê dormir
12 de junho de 2017
Segurança das crianças nos ambientes aquáticos
12 de junho de 2017

Mamãe, pode ser que algum dia você fique nesta dúvida, então é bom lembrar alguns conselhos de um Pediatra.
O que é que você realmente esta vendo no seu filho? É alguma coisa que já começou há alguns dias? Está com febre? Começou agora? A criança está bem? Corada? Conversa com você? Urina bem e a urina está clara? Reconhece as pessoas e o ambiente? Está consciente? Tem dores localizadas? A voz (ou choro) está normal? Tem tosse rouca? A pele está normal? Tem manchas vermelhas e elevadas na pele? Tem lesões escuras tipo “sangue pisado”? Tem os lábios ou extremidades roxas (cianose)? Tem movimentos involuntários (convulsão)? Os olhos estão normais e olham para você, seguem seus movimentos? Anda em linha reta? Pode haver a possibilidade de ingestão de medicamentos ou bebidas alcoólicas ou outras drogas ou produtos químicos? É um acidente? Tem sangramentos? Algum membro deformado (fratura)? Hematomas? Vomita com frequência? Está com falta de ar (dispneia)? Está engasgado?
Vamos agora conversar sobre estas indagações:
“Você tem um quadro que já dura ha vários dias.” Se a criança está bem, nada de correr para a emergência, entenda que a criança está bem se comeu razoavelmente e urinou bem, se não deixou de fazer a sua rotina do dia a dia, se está corada e apenas persiste com um determinado sintoma não grave, então procure seu Pediatra com calma.
“Está com febre!” Se começou agora, pode dar uma dose de antitérmico e aguardar algumas horas para observar o aparecimento de outros sintomas ou sinais. A febre pode estar presente por 24 a 48 horas sem haver muita preocupação desde que a criança esteja bem, se aparecerem vômitos a preocupação aumenta muito, principalmente se tiver queixas de dor na cabeça, então deverá ser examinada mais rapidamente.
“O sintoma começou agora.” Alguns sinais e sintomas, mesmo começando agora já são alarmantes e necessitam socorro rápido, como a convulsão que pode ser febril ou não, um sangramento que se mostre importante pelo seu volume ou cianose (pele roxa), dificuldade respiratória ou perda da consciência etc… nestes casos procure uma emergência e de lá entre em contato com seu Pediatra.
“Minha criança caiu…” Como ela está? Chora? Se ela consegue conversar com você e reconhecer as pessoas e o ambiente, é um bom sinal. Procure hematomas, pontos dolorosos ou deformidades. Se após algum tempo apresentar vômitos já é sinal de preocupação e se perder a consciência é pior ainda, procure uma emergência rapidamente.
“A pele do meu filho está com manchas”  Observe as manchas, são vermelhas? Clareiam a cor se você as pressionar? Se sim, então seu filho deve estar com uma urticária (reação alérgica), se ele estiver bem então ligue para o seu Pediatra. Por outro lado, se você notar dificuldades respiratórias, rouquidão ou edemas (inchaços) de lábios ou olhos ou orelhas procure a emergência rapidamente.
Se o seu filho já tem alguma alergia conhecida, você deve estar preparada para tentar evitar o possível contato e tomar as medidas terapêuticas urgentes se o contato acontecer. Converse com seu Pediatra sobre essas medidas que podem ser de extrema valia.
As manchas são escuras e não clareiam se você as pressionar? Tem vômitos? Dor na cabeça? Febre? (pode ser meningococcemia). Então você deve se preocupar muito e ir para a emergência rapidamente e comunique-se com seu Pediatra.
“Meu filho tem tosse.” Se tem uma tosse com som normal, pode ligar para o seu Pediatra, conversar e marcar consulta no consultório com calma. Entretanto se a tosse é rouca (“tosse de cachorro”) e respira com dificuldade e tem olhar ansioso e às vezes até com cianose (pele roxa) dirija-se a uma emergência rapidamente e de lá entre em contato com seu Pediatra.
“Meu filho está “estranho” parece que não me vê “ Seu filho pode estar apresentando uma convulsão hipotônica vá para emergência. Verifique se é possível que ele possa ter ingerido alguma substância, se achar leve a embalagem.
“Meu filho está se debatendo, não me responde e tem os lábios roxos” Seu filho está apresentando uma convulsão tônico-clônica que pode ser com febre ou não. Nesta circunstância não dê nada pela boca, devido ao risco de engasgo ( aspiração). Vá para a emergência rapidamente.
“Meu filho está com vômitos” O seu filho pode apenas estar manifestando uma indisposição a alguma coisa que comeu ou pode estar iniciando um quadro que pode ser muito trabalhoso, a evolução vai ser decisiva para esclarecer o quadro.
Se vomitou uma única vez ligue para o seu Pediatra, possivelmente ele recomendará um antiemético. Porém se persistirem os vômitos o quadro merece mais atenção possivelmente ele recomendará que você vá ao consultório ou se não for possível recomendará uma ida a emergência, se por acaso não conseguir contato com seu Pediatra dirija-se a uma emergência.
“Meu filho está com falta de ar (dispnéia)” Se você já presenciou isso em outras ocasiões, seu filho deve ser portador de asma brônquica então faça o procedimento de costume, que já deve ter sido orientado por seu Pediatra ou alergista ou pneumologista e mantenha seu Pediatra informado sobre a evolução.
Se é a primeira vez, certifique-se de que não é um engasgo e dirija-se rapidamente a uma emergência
“Meu filho está engasgado” Não pense em pegar o telefone! Seu filho precisa de ajuda neste momento! Peça ajuda a quem estiver próximo! Observe a boca do seu filho, consegue ver alguma coisa? Se houver algo visível e solto na boca pode tentar tira-lo. Se não enxergar nada não tente “achar” com os dedos, pois provavelmente você irá piorar a situação empurrando ainda mais o possível objeto para dentro. Se persiste o quadro e se o seu filho for um bebê então deite-o sobre os seus joelhos , com a boca para baixo e dê um tapa “pesado” nas costas do bebê com o intuito de fazer com que o bebê ponha o ar para fora e com isso traga o tal objeto, após esta manobra torne a examinar a boca do bebê se vir algo tente tira-lo se não enxergar nada repita a operação… até conseguir a desobstrução da via aérea.
Se seu filho é uma criança grande as manobras são diferentes:
Se seu filho está em pé e emite sons, aguarde alguns instantes, se parar de emitir sons então agarre-o por trás e coloque uma de suas mãos de punho fechado sobre seu abdomem e com a outra mão agarre a mão de punho fechado e faça uma tração para si e para cima. Observe resolveu? Se sim ótimo se não… repita a manobra.
Se seu filho perdeu a consciência e está deitado, coloque-se sobre ele posicione uma de suas mãos na parte superior do abdomem e a outra mão sobre a que já estava posicionada e faça uma grande pressão para baixo e para cima, observe a boca vê alguma coisa? Se possível retire-a se não vê nada repita a manobra.

carlos
carlos
Médico Pediatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fez Residência Médica em Pediatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira e Paulista de Pediatria. Faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *