Na “era da distração”, como manter nossos filhos concentrados?
9 de abril de 2019



Como conseguir que seu filho adolescente converse com você

Calah Alexander | Aleteia

As melhores estratégias podem parecer contra-intuitivas, mas aqui estão 3 estratégias para começar…

Quando minha filha era pequena, ela falava incessantemente sobre tudo. Isso me deixava desnorteada, mas eu sempre disse para mim mesma: “Pelo menos nunca terei que me preocupar em fazer com que ela se abra”.

Então veio a adolescência. Não me entenda mal, ela não se tornou introvertida ou qualquer coisa assim – ela ainda fala incessantemente… sobre tudo, exceto as coisas importantes. Ela pode passar 45 minutos diretos descrevendo “Vines” para mim (videoclipes de 5 a 10 segundos que meninas de sua idade são obcecadas), mas quando pergunto o que está acontecendo em uma certa situação, como suas notas escolares ou algo relacionado aos seus amigos, ela se fecha.

No começo foi frustrante, até que comecei a encarar isso como um desafio. Como eu poderia fazer minha filha se abrir sobre coisas importantes em vez de se calar?

Eu tentei vários métodos, alguns dos quais resultaram em falha total (alerta de spoiler: adolescentes vão rir na sua cara se você sugerir fazer um diário secreto de mamãe e filha) e algumas que mostraram sucesso moderado (um passeio para fazer compras sempre afrouxa os lábios, mas é financeiramente insustentável como um plano de longo prazo). No entanto, finalmente encontrei alguns métodos testados e comprovados para fazer com que minha filha adolescente falasse comigo – e nenhum deles exige passar um cartão.

1

LIDERE COM LOUVOR

Nada cala um adolescente mais rápido do que as críticas, seja essa crítica real ou percebida. Mesmo que você comece expressando uma preocupação e oferecendo ajuda, o que seu adolescente ouve é crítica. Esta é uma conversa real que tive com minha adolescente:

Eu: Sua nota de ciências despencou por causa da falta de fazer o dever de casa – posso ajudá-la a descobrir uma maneira de organizar sua lição de casa para que você não se esqueça de entregá-la?

Minha adolescente: MÃE, eu já conversei com minha professora de ciências e ela disse que eu poderia fazer em tutoriais, e eu entreguei cada pedaço de lição de casa esta semana. Por que você sempre age como se eu estivesse fazendo tudoerrado?!?!

Eu aprendi a abordar isso de uma maneira diferente. Eu acho um pedaço bem feito de lição de casa ou teste de qualquer classe que ela está tendo dificuldade, e faço questão de elogiá-la por isso. É isso aí. É tudo o que é preciso para fazê-la aceitar alegremente o meu elogio e, a partir daí, ela me conta o motivo de a nota dela estar mais baixa agora. É só quando ela me diz que há um problema que ela está disposta a ouvir sugestões para corrigi-lo.

2

FAÇA PERGUNTAS ABERTAS

Garotas adolescentes e seu drama adolescente são um clichê cansado, mas não são desprovidos de verdade. Estou aprendendo que as garotas adolescentes não são más ou cruéis por natureza – elas são incrivelmente gentis, compassivas e protetoras (às vezes um pouco superprotetoras). O drama não é algo que elas criam por maldade. É um resultado direto de aprender a navegar por relacionamentos sociais cada vez mais complexos e cada vez mais importantes.

Relacionamentos entre pares para adolescentes tornam-se o ponto crucial de suas vidas. Em termos de desenvolvimento, elas estão ganhando independência e se separando de seus pais. Socialmente, elas estão tentando navegar pelo mundo das interações sociais pós-infância, ainda que pré-adulta, enquanto lidam com uma enxurrada de hormônios mutantes. É uma coisa difícil de assistir, e eu lembro como foi difícil viver. Os adolescentes estão cada vez mais defensivos em relação aos seus círculos sociais, o que dificulta a iniciação da conversa honesta.

A melhor coisa a fazer é parar de iniciar a conversa. Em vez de criar um amigo específico ou uma dinâmica específica, pergunte sobre uma atividade ou classe que você sabe que é relevante. Se sua filha adolescente está tendo problemas com uma criança em um time de futebol, não pergunte sobre a criança. Pergunte sobre o último jogo. Pode demorar algumas conversas sem saída, mas eventualmente o adolescente vai se abrir sobre o que está acontecendo – e se eles iniciarem a conversa, eles não estão em defesa.

3

CONVERSE NO CARRO

Há algo sobre andar no carro que faz os adolescentes sentirem-se infinitamente mais confortáveis. Pode ser o fato de que sua atenção principal está concentrada na estrada, ou que eles sabem que há um destino e uma parada difícil para a conversa, mas minhas melhores conversas com minha filha acontecem no carro.

Elas são sempre inesperadas e espontâneas, no entanto – as que eu tento planejar estrategicamente não vão a lugar nenhum. O mesmo acontece com conversas onde eu cometo o erro de desligar o rádio; a música de fundo faz com que os adolescentes se sintam mais à vontade para falar. Sem falhar, quando minha filha e eu estamos indo para algum lugar e o rádio está tocando, ela de repente se transforma de volta na tagarela pré-adolescente, me informando sobre tudo o que está acontecendo na escola, com suas amigas e com seus irmãos. O carro é como uma ferramenta mágica de desbloqueio de adolescentes, desde que você não tente forçá-lo. Basta entrar no carro, ligar a música, dar uma volta e deixar a mágica acontecer.

Todo adolescente é diferente. Você pode descobrir que alguns deles funcionam para você, ou nenhum deles funciona. O ponto é continuar tentando maneiras novas e diferentes de dar ao adolescente a oportunidade de conversar com você, em vez de exigir respostas. Afinal, como pais, devemos tentar modelar um relacionamento com Cristo da melhor maneira possível, e se há uma coisa que Ele nunca faz, é exigir respostas. Ele espera e ouve, espera e ouve. Contanto que o adolescente saiba que você o ama e continue dando oportunidades, eventualmente eles o aceitarão.

carlos
carlos
Médico Pediatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fez Residência Médica em Pediatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira e Paulista de Pediatria. Faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *