Cantigas de roda, aumentam o potencial da criança? 
10 de março de 2021
Sinais e sintomas na fase escolar
17 de março de 2021

As vacinas contra a covid-19 já começaram a ser distribuídas em todo o país e já foram aplicadas em profissionais de saúde e em milhares de pessoas com idade superior a 74 anos. Apesar de ser um alívio pensar que os idosos, mais vulneráveis ao vírus, passam a ficar mais protegidos, ainda é só o primeiro passo de uma longa jornada que o Brasil precisa enfrentar. Principalmente quando pensamos na quantidade de profissionais expostos todos os dias, e que também precisavam da vacina com urgência, como policiais, professores, bombeiros, pessoas que inevitavelmente precisam ter contato com outras pessoas.

 

Os governos federal, estadual e municipal estabeleceram critérios para a ordem de vacinação. Embora nem toda a sociedade concorde com as medidas adotadas, o fato é que as vacinas têm se mostrado eficazes em diversas partes do mundo. Algumas já receberam certificação e estão sendo utilizadas em vários países. Outras continuam em estudo, apresentam tecnologias diferentes, mas possuem o mesmo objetivo que as demais aprovadas: salvar vidas.

 

Além disso, há vários medicamentos e tratamentos sendo pesquisados e medicamentos como os corticóides e anti-coagulantes sendo utilizados com sucesso em pacientes que necessitam de internação. A posição prona também se mostrou muito eficiente em pacientes nas UTIs e tem contribuído para a recuperação de centenas de pacientes.

 

Todos os dias a imprensa fala sobre o número de mortes por coronavírus no país, que de fato é altíssimo: mais de 270 mil óbitos em pouco mais de um ano. Mas o que ninguém divulga são as estatísticas de recuperação, que soma 9.970 milhões de pessoas durante o mesmo período. Há muitas pessoas doentes, internadas, entubadas, os hospitais estão lotados, perdemos conhecidos e entes queridos. É perfeitamente normal sentir-se desapontado, absorvido em si mesmo ou deprimido, e até desesperado.

 

Entretanto, este é o momento de ter otimismo, paciência e fé. Há mais brasileiros se recuperando, mesmo depois de passar pela UTI e pela entubação, do que falecendo. E as esperadas vacinas já estão aí, e chegarão a todos. Cientistas trabalham incansavelmente em busca de respostas para as novas cepas, e profissionais de saúde se desdobram para salvar todos que podem.

 

Enquanto a vacina não chega a todos, é muito importante que cada um cuide de sua saúde física e mental, que têm afetado milhares de pessoas nessa pandemia em decorrência do isolamento social. Tem aumentado casos de depressão, ansiedade, obesidade, e vários outros distúrbios psiquiátricos em cidadãos de todas as idades, inclusive crianças pequenas e idosos.

 

Para evitar esta situação, devemos priorizar quatro áreas importantes de nosso dia a dia: sono, dieta, atividades (trabalho e lazer) e tempo de tela nos dispositivos eletrônicos (celular, tablete, computador, TV). Isso significa, na prática:

 

– Dormir no mínimo 7-8 horas por dia

 

– Procurar consumir alimentos naturais, que garantam nutrientes ao organismo, como frutas, verduras, legumes, grãos, proteínas, e evitar o alto consumo de álcool, açúcar e produtos industrializados

 

– Ingerir bebidas e alimentos que contenham vitamina C

 

– Beber muita água, pelo menos 2 litros por dia

 

– Tomar ao menos 15 minutos de sol, de preferência de manhã

 

– Limitar horário de trabalho, como se estivesse indo para a empresa. As pessoas em home-office têm ultrapassado limites de carga horária e têm adoecido mais por cansaço e queda de resistência imunológica

– Limitar o tempo de redes sociais, jogos eletrônicos, TV e internet

 

– Estabelecer um tempo de lazer, diariamente. Separe meia hora, uma hora, que seja, para fazer algo que gosta: ler, praticar uma atividade física, meditar, etc.

 

 

Reavalie sua rotina de forma que ela se torne mais leve e mais saudável para todos. Divida as tarefas domésticas, permita-se parar, ter tempo para si, para os amigos, para a família e para os filhos, mesmo que virtualmente. Manter esses laços são fundamentais para reduzir a angústia e sensação de solidão. Além disso, pratique a gratidão, a empatia e viva o agora. Estudos mostram que essas três atitudes trazem paz e mais alegria ao dia a dia das pessoas, apesar dos desafios a serem enfrentados, que neste momento são muitos. Quando nossos corações e almas estão em qualquer lugar, exceto no momento presente, isso é opressor e imobilizador. E é um grande fator para o desenvolvimento de instabilidade na saúde mental.

 

O coronavírus

 

Os primeiros registros da covid-19 ocorreram em Wuhan, cidade chinesa de 11 milhões de habitantes. Porém, o vírus se espalhou rapidamente ocasionando uma pandemia. O coronavírus é uma família de vírus encontrada principalmente em animais, mas que pode infectar seres humanos também. É um conjunto de vírus que podem causar doenças , entre elas as já identificadas Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS).

 

Os pacientes diagnosticados com o coronavírus, que causa a doença chamada COVID-19, apresentaram sintomas como febre, tosse, falta de ar, dor no peito e dificuldade em respirar. Atualmente, vimos sintomas em vários sistemas e órgãos causando vômitos, diarreia, alterações de pele, alterações trombóticas, problemas cardíacos e renais, entre outros.

 

As recomendações para evitar o contágio por coronavírus são semelhantes à prevenção da gripe. Devemos manter uma boa higiene das mãos, lavando com água e sabão ou higienizando com álcool em gel (isso é fundamental). Utilizar máscaras, evitar ambientes fechados e com multidões, e praticar o distanciamento social. Se cada um fizer a sua parte com responsabilidade, conseguiremos nos livrar desse vírus e ter uma vida parecida com a que tínhamos antes.

carlos
carlos
Médico Pediatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fez Residência Médica em Pediatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira e Paulista de Pediatria. Faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *