Infecção de Urina
24 de abril de 2017
Tudo sobre prematuros
24 de abril de 2017

 

Febre

 

 

Trata-se da elevação da temperatura corpórea. É considerada febre a temperatura axilar, medida por meio de termômetro, que está acima de 37,8 °C.

– É uma resposta do organismo a uma situação em que ele se defende de algum agente agressor, como uma infecção.

– As causas mais comuns da febre são infecções benignas: gripes e amigdalites.

– A febre pode ser tratada com antitérmicos prescritos pelo médico.

– Quando a febre preocupa mais (sinais de alerta):

– Crianças de qualquer idade com febre acima de 39 °C.

– Crianças de qualquer idade, com qualquer intensidade de febre, que estejam abatidas e prostradas (sem brincar) ou que apresentem outros sintomas associados à febre, como falta de ar, manchas na pele, vômitos ou diarréia.

 

 

Tosse

 

 

Trata-se de um mecanismo de defesa do sistema respiratório diante de um agente agressor, inflamatório ou infeccioso. Pode ser seca ou produtiva (com catarro). Diversas doenças levam a quadros mais ou menos intensos de tosse. Como se trata de um mecanismo de defesa, a tosse não deve ser inibida. Ajuda muito o uso de remédios fluidificantes (que deixam a secreção menos espessa, favorecendo a expectoração), como lavagem do nariz com soro fisiológico e inalações.

– É sinal de alerta de que algo não vai bem a tosse acompanhada das seguintes situações:

– Falta de ar.

– Criança prostrada, sem querer comer nem brincar.

– Criança que não consegue beber líquidos nem mamar.

– Quando a região em redor da boca ou embaixo das unhas fica azulada (arroxeada).

– Secreção nasal ou pulmonar amarela ou esverdeada.

– Vômitos repetidos após a tosse ou provocados por ela.

– Tosse com febre por mais de 3 dias.

 

 

Gripes e resfriados

 

 

Gripes e resfriados são processos infecciosos das vias aéreas superiores que ocorrem com muita frequência. São causados por tipos diferentes de vírus.

Os sintomas mais comuns são:

– Febre, que pode ser alta, mas não dura mais do que 3 ou 4 dias.

– Obstrução nasal.

– Tosse, que pode ser produtiva (com catarro) ou mais irritativa (seca).

As medidas mais indicadas para tratamento desses casos são:

– Fazer lavagens nasais, com solução fisiológica, várias vezes ao dia.

– Aumentar a oferta de líquidos e lembrar que nesse momento a criança pode querer comer menos.

– Tratar a febre com antitérmicos pode ser uma opção. Neste caso entre em contato para conversarmos melhor

 

 

Amigdalites

 

 

Nessa fase o tecido linfóide (ex: amígdalas) estão no máximo do seu desenvolvimento. Por isso é comum o aparecimento de sintomas como amigdalites virais ou bacterianas. São quadros que tem em comum febre, dor ao engolir, presença de linfonodos (ínguas) no pescoço e queda do estado geral. Na amigdalite bacteriana há pus na garganta, febre alta e repetida durante uns três dias e é necessário a utilização de antibiótico para controle do quadro.

 

 

 

 

carlos
carlos
Médico Pediatra formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Fez Residência Médica em Pediatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira e Paulista de Pediatria. Faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *